12/12/2018 | Saúde, Meio Ambiente, Administrações Regionais

Prefeitura realiza ações de combate e estudo para prevenir o aumento de casos de dengue

Com 66 casos autóctones de dengue até o momento, ações de limpeza de bairros, como o Dia D, e estudos de mapeamento de ocorrências de dengue no município são medidas tomadas pela Prefeitura para impedir o avanço da doença.

Diante da incidência de casos de dengue no município, a Prefeitura Municipal, por meio das secretarias de Saúde, das Administrações Regionais e do Meio Ambiente, realiza no Parque Jaraguá, nesta quinta-feira (13), às 08h, o Dia D, em combate à dengue. A ação consiste em visitas domiciliares e limpeza do bairro, e, na sexta-feira (14), haverá aplicação de inseticida. O Jaraguá é considerado uma região de risco de transmissão da doença.

Estudo e mapeamento possibilitam direcionar ações para áreas mais críticas

A fim de ter o maior número de informações para traçar as melhores estratégias de prevenção e combate à dengue, a Secretaria de Saúde realizou o Levantamento Rápido de Índice para Aedes aegypti (LIRAa). O LIRAa é um método amostral que tem como objetivo principal a obtenção de indicadores entomológicos de maneira rápida e permite o direcionamento das ações de controle para as áreas mais críticas.

O LIRAa identifica os criadouros predominantes e a situação de infestação no município e ocorre em quatro etapas: planejamento com definição da amostra, execução da pesquisa, análise e avaliação dos resultados.

Quais os números relacionados à dengue no município de Bauru?

Em 2018, até o momento, Bauru registrou 66 casos autóctone de dengue. Para mapear as ocorrências da doença na cidade, o LIRAa divide o município em 12 áreas e analisa 400 prédios em cada uma das 12 áreas. De acordo com os dados do estudo, o Índice de Infestação Predial (IIP), que demonstra os números da infestação de dengue em residências -, apresentou uma queda contínua durante 2018, em razão das estações do ano.

No primeiro trimestre de 2018, durante o verão, o índice era de 5,3%, esse número cai para 3,1% a partir de abril, e chega a 1,3% em julho, no início do inverno. O índice é considerado satisfatório quando é inferior a 1%, significa estado de alerta quando está entre 1% e 3,9%, e representa risco de surto quando é superior a 4%.

Apesar da queda do índice durante o ano, o número apresentado a partir de julho ainda é alarmante, visto que, durante o inverno, deveria estar abaixo de 1% e quatro áreas apresentaram índice entre 1% e 3,9%, e a área 12, que compreende a região dos bairros Jardim Brasil, Vila Cardia, Higienópolis e Cidade Universitária, aparece com índice superior a 4%.

Qual o balanço geral da dengue no município?

A primeira grande epidemia de dengue em Bauru aconteceu em 2007, seguido de 2011, ano em que o município registrou a primeira ocorrência de óbitos pela doença, no total, seis pessoas morreram em decorrência da dengue.

As pesquisas realizadas pela Secretaria de Saúde, que analisou o quadro envolvendo a dengue durante 18 anos em Bauru, começando em 2000 até 2018, constatam que o aumento de casos de dengue se manifesta em períodos cíclicos, em anos ímpares. Em 2013 o município apresentou 7434 casos e dois óbitos, em 2015 foram 8482 ocorrências e seis óbitos. 2016 apresentou um número menor de casos, porém, houve um óbito, o que sinaliza a consolidação da dengue como uma doença letal.

O ano de 2018, se comparado a 2015, ano de maior ocorrência de casos de dengue dentro do período de 18 anos, sinaliza que o município não está em epidemia. Por outro lado, este ano foi detectada a ação do DENV2, um dos quatro sorotipos possíveis para a dengue, que há sete anos não era registrado casos em Bauru. A volta do DENV2 alerta para a possibilidade de início de uma epidemia em dezembro, quando começa o verão, visto que o fato de estar muito tempo fora de circulação, é grande a chance de a população estar vulnerável e sem imunidade adquirida, o que facilita a disseminação da doença.

Portanto, é preciso que a população trabalhe junto à Prefeitura, fazendo sua parte através da eliminação de criadouros, principalmente no período de chuva, para que não haja infestação do mosquito Aedes, a fim de evitar a infecção das pessoas pelo vírus.

Onde a dengue pode se esconder na sua casa?

Os dados do LIRAa elencaram também os recipientes que mais são encontrados em condições de ser tornarem criadouros do Aedes.


1º Latas, frascos, plásticos utilizáveis.
2º Latas, frascos, plásticos (sem uso)
3º Garrafas retornáveis
4º Ralo externo
5º Prato de plantas/pingadeira
6º Ralo interno
7º Bandeja de geladeira/ar condicionado
8º Bromélias
9º Outros
10º Lonas, plástico



Entre os recipientes que mais são encontrados com larvas do mosquito Aedes, apareceram:


1º Prato/pingadeiras
2º Ralo interno
3º Bromélias
4º Ralo externo
5º Outros
6º Latas, frascos, plásticos utilizáveis
7º Garrafas retornáveis
8º Latas, frascos, plásticos (sem uso)
9º Bandeja de geladeira/ar condicionado
10º Lona, plástico



O que é a dengue?

A dengue é uma doença febril aguda, que pode apresentar amplo aspecto clínico. Enquanto a maioria dos pacientes se recupera após evolução clínica leve e autolimitada, uma pequena parte progride para doença grave. É a mais importante das doenças causada por insetos que afetam o homem, e constitui-se como um sério problema de saúde pública no mundo.

A ocorrência e a disseminação da doença é mais acentuada em países tropicais e subtropicais, como o Brasil, um país onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti e do Aedes Albopictus, insetos transmissores da dengue e também da febre amarela e chinkungunya.

Como a dengue é transmitida?

A transmissão ocorre quando os mosquitos Aedes aegypti picam o homem. Quando o vírus da dengue circulante no sangue de um humano em viremia (geralmente um dia antes do aparecimento da febre, até o 6º dia da doença) é ingerido pela fêmea do mosquito, o vírus infecta o intestino médio do inseto e depois se espalha ao longo de um período de 8 a 12 dias. Após este período, o mosquito transmite por até 8 semanas.

Quais os sintomas da dengue?

A dengue pode evoluir para uma forma mais grave da doença, sinalizando a necessidade de atendimento médico urgente.

Sinais de alarme
- Dor abdominal intensa e contínua, ou dor à palpação do abdome.
- Vômitos persistentes
- Acumulação de líquidos (ascites, derrame pleural, derrame pericárdico)
- Sangramento de mucosa ou outra hemorragia
- Hipotensão postural e/ou lipotímia
- Hepatomegalia maior que 2 cm
- Aumento progressivo de hematócrito

Prefeitura realiza ações de combate e estudo para prevenir o aumento de casos de dengue